Fonoaudiologia Neonatal

Análise do conteúdo e aparência do protocolo de acompanhamento fonoaudiológico - aleitamento materno 2018

Andréa Monteiro Correia Medeiros1, Hayane Santos Nascimento1, Mirthys Karoline de Oliveira Santos1, Ikaro Daniel de Carvalho Barreto2, Elisdete Maria Santos de Jesus3 ARTIGO INDICADO PARA A AULA DE ALEITAMENTO MATERNO

Instrumento de Avaliação da Sucção do Recém-Nascido com vistas a Alimentação ao Seio Materno

Autoras: Patrícia das Graças Mosele(1), Jordana Ferreira dos Santos(2), Vanessa Cristina de Godói(3), Francine Marson Costa(4), Plínio Marco De Toni(5), Cristina Ide Fujinaga(6)

Manejo clínico das disfunções orais na amamentação

Autora: Maria Teresa C. Sanches Resumo Objetivo: Abordar os aspectos relacionados com a detecção precoce e o manejo clínico das disfunções orais na amamentação. Fontes de dados: Revisão bibliográfica com enfoque no manejo clínico das disfunções orais em crianças amamentadas, utilizando artigos científicos, livros técnicos, teses e publicações nacionais e internacionais. Síntese dos dados: As disfunções orais (desordens da sucção do bebê), se não corrigidas precocemente, podem gerar ações inadequadas, prejudicando o desempenho satisfatório entre mãe e bebê na mamada. Os profissionais de saúde podem contribuir nesses casos, reconhecendo e intervindo precocemente através de capacitação para a avaliação da mamada e para o manejo clínico adequado das disfun- ções orais. No manejo clínico para bebês com dificuldades na amamenta ção, devem ser considerados os aspectos relevantes da fisiologia oral e observação da amamentação para essa prática. Destaca-se a import ância do trabalho de uma equipe interdisciplinar e das precauções necessárias quanto ao treino oral desses bebês, bem como a necessidade de acompanhamento por especialista treinado nos casos mais complexos. Conclusão: As disfunções orais do bebê na amamentação podem ser corrigidas, desde que identificadas precocemente. Os profissionais de saúde podem auxiliar mães e bebês a superar essa dificuldade, capacitando-se para realizar uma prática clínica adequada na amamentação.

Tempo de transição alimentar na técnica sonda-peito em recém-nascidos baixo peso do Método Canguru 2018

Andréa Monteiro Correia Medeiros1 Blenda Karen Batista Ramos1 Déborah Letticia Santana Santos Bomfim1 Conceição Lima Alvelos1 Talita Cardoso da Silva1 Ikaro Daniel de Carvalho Barreto2 Felipe Batista Santos3 Ricardo Queiroz Gurgel3

Validation of a New Language Screening Tool for Patients With Acute Stroke The Language Screening Test (LAST) 2011

Constance Flamand-Roze, ST; Bruno Falissard, MD, PhD; Emmanuel Roze, MD, PhD; Lisa Maintigneux, ST; Jonathan Beziz, ST; Audrey Chacon, ST; Claire Join-Lambert, MD; David Adams, MD, PhD; Christian Denier, MD, PhD

Alterações Neurológicas de MO - Disfagia

Disfagia em Terapia Intensiva

O Fonoaudiólogo é indispensável em Terapia Intensiva

Ingestão Oral e Grau de Comprometimento da Disfagia Orofaríngea Neurogênica Pré e Pós Fonoterapia

Autores: Aline Rodrigues Pinto, Paula Cristina Cola, Lídia Raquel de Carvalho, Suely Mayumi Motonaga, Roberta Gonçalves da Silva 2014

Fonoaudiologia Hospitalar - Intervenção Fonoaudiológica nas Disfagias Orofaríngeas

PROTOCOLO PARA CONTROLE DE EFICÁCIA TERAPÊUTICA EM DISFAGIA OROFARÍNGEA NEUROGÊNICA (PROCEDON)

PROTOCOLO PARA CONTROLE DE EFICÁCIA TERAPÊUTICA EM DISFAGIA OROFARÍNGEA NEUROGÊNICA (PROCEDON), Silva RG, Jorge AG, Peres FM, Cola PC, GattoAR, SpadottoAA 2010

Diagnóstico Diferencial em Fonoaudiologia

ARTIGO 1 Eficácia e limitação da terapia vocal na doença de Parkinson 2016

Eficácia e limitação da terapia vocal na doença de Parkinson: revisão de literatura Effectiveness and limitations of vocal therapy in Parkinson’s disease: a literature review Renata Serrano de Andrade Pinheiro(1) Nelson Torro Alves(2) Anna Alice Figueirêdo de Almeida(3)

ARTIGO 2 Adaptação Para A Língua Portuguesa E Aplicação De Protocolo De Avaliação Das Disartrias De Origem Central Em Pacientes Com Doença De Parkinson

ADAPTAÇÃO PARA A LÍNGUA PORTUGUESA E APLICAÇÃO DE PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO DAS DISARTRIAS DE ORIGEM CENTRAL EM PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Adjustment to the Portuguese and application to patients with Parkinson’s disease of protocol within central origin dysarthrias’ assessment Angélica Suelen Fracassi (1), Ana Rita Gatto (2), Silke Weber (3), André Augusto Spadotto (4), Priscila Watson Ribeiro (5), Arthur Oscar Schelp (6)

ARTIGO 3 Aspectos comunicativos e enfrentamento da disfonia em pacientes com Doença de Parkinson

Aspectos comunicativos e enfrentamento da disfonia em pacientes com doença de Parkinson Article in CoDAS · February 2016 Flávia Pereira da Costa Giovana Diaféria Mara Behlau

ARTIGO 4 Disfonias: Relação S/Z e Tipos De Voz

DISFONIAS: RELAÇÃ O S/Z E TIPOS DE VOZ Dysphonias: S/Z ratio and types of voice Carla Aparecida Cielo (1), Giseane Conterno (2), Cláudia Dutra de Moraes Carvalho (3), Leila Susana Finger (4)

ARTIGO 5 Relação entre Autoavaliação Vocal e Dados da Avaliação Clínica em Indivíduos Disfônicos

RELAÇÃO ENTRE AUTOAVALIAÇÃO VOCAL E DADOS DA AVALIAÇÃO CLÍNICA EM INDIVÍDUOS DISFÔNICOS Relation between voice self-assesment and clinic evaluation data in dysphonic individuals Ana Paula Dassie Leite(1), Luciana Branco Carnevale(1), Heloíza Lima da Rocha(1), Caroline Amália Pereira(1), Luiz de Lacerda Filho(2)

ARTIGO 6 Disfonias Orgânicas por Neoplasias: Análise de Diagramas de Desvio Fonatório

DISFONIAS ORGÂNICAS POR NEOPLASIAS: ANÁLISE DE DIAGRAMAS DE DESVIO FONATÓRIO Phonatory deviation diagram in organic dysphonia by neoplasia Iára Bittante de Oliveira(1), Eliane dos Santos Fernandez(1), Elaine Pavan Gargantini(1)

ARTIGO 7 Disfonia Organofuncional e Queixas de Distúrbios Alérgicos e/ou Digestivos

DISFONIA ORGANOFUNCIONAL E QUEIXAS DE DISTÚRBIOS ALÉRGICOS E/OU DIGESTIVOS Organic-functional dysphonia and complains off allergic and/or digestive disturbance Carla Aparecida Cielo (1), Leila Susana Finger (2), Geise Roman-Niehues (3), Vanessa Panda Deuschle (4), Márcia do Amaral Siqueira (5)

ARTIGO: Diagnóstico Diferencial em MO segundo Marchesan

Autora do arquivo: Drª Irene Marchesan

ARTIGO: Diretrizes Nacionais em Microcefalia

Fonoaudiologia na estimulação precoce de crianças com Microcefalia

ARTIGO: Testes de rastreamento x testes de diagnóstico

Testes de rastreamento x testes de diagnóstico

ARTIGO: TRADUÇÃO ZIKA - Diagnóstico Diferencial em Fonoaudiologia

A convergência de um vírus, mosquitos e viagem humana na globalização da epidemia de Zika.

ARTIGO: ZIKA - Diagnóstico Diferencial em Fonoaudiologia

A convergência de um vírus, mosquitos e viagem humana na globalização da epidemia de Zika.

Diagnóstico Diferencial em Fonoaudiologia Linguagem e Memória

Memória e Linguagem - Diagnóstico Diferencial das Afasias

Diagnóstico Diferencial em Fonoaudiologia MO

Diagnóstico Diferencial em Fonoaudiologia MO

FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR

Biossegurança Fonoaudiologia Hospitalar

GRADUAÇÃO DE FONOAUDIOLOGIA

Dimensões subjetivas de biossegurança hospitalar

Leitura Complementar graduação em Fonoaudiologia

Disfagia no HIV

Leitura Complementar da Graduação em Fonoaudiologia

Fonoaudiologia em Terapia Intensiva

A Fonoaudiologia Hospitalar e as evidências irrefutáveis de que a presença do Fonoaudiólogo é essencial nos hospitais..pdf

Fonoaudiologia Hospitalar em Traumas de Face

Leitura complementar da graduação em Fonoaudiologia

Incidência de Disfagia em UTI

A Fonoaudiologia Hospitalar e as evidências irrefutáveis de que a presença do Fonoaudiólogo é essencial nos hospitais..pdf

Intubação Orotraqueal e Disfagia

A Fonoaudiologia Hospitalar e as evidências irrefutáveis de que a presença do Fonoaudiólogo é essencial nos hospitais..pdf

Estágio II Motricidade Oral

Atuação fonoaudiológica em disfunção temporomandibular em dois casos: análise comparativa dos efeitos da terapia tradicional e o uso da bandagem terapêutica associada

de Jesus Hernandes, N. C., Ribeiro, L. L., Gomes, C. F., da Silva, A. P., & Dias, V. F. (2017). Atuação fonoaudiológica em disfunção temporomandibular em dois casos: análise comparativa dos efeitos da terapia tradicional e o uso da bandagem terapêutica associada. Distúrbios da Comunicação, 29(2), 251-261.

AULA 4 Protocolo MBGR parte I

Protocolo MBGR Autora Irene Marchesan - Referênicia na Motricidade Oral no país

Disfunção Temporomandibular DTM

Recursos terapêuticos fonoaudiológicos para o tratamento do Distúrbio temporo mandibular - DTM

Distúrbios Temporomandibulares - Atuação fonoaudiológica nas DTMs

Os Distúrbios Temporomandibulares (DTM) comprometem a qualidade de vida dos pacientes que sofrem com dores intensas de cabeça, que podem ser confundidas com enxaquecas crônicas. Faz se necessário ter atenção a alguns dos sintomas, tais como: alterações na mastigação, abertura bucal, interferência na articulação da fala, dores na face, bruxismo associado, estalos e ruídos na articulação, sensação de ouvido tampado, queixas de zumbido. Se apresenta alguns desses sintomas, procure a avaliação morfofuncional de um fonoaudiólogo. O fonoaudiólogo é o profissional legalmente habilitado para tratar as funções estomatognáticas que envolvem sucção, mastigação, deglutição, fala e respiração. A mobilidade e saúde da articulação temporomandibular (ATM) é fundamental para a realização dessas funções. #fonoaudiologia #EspecialistaemMotricidadeOrofacial #fonovim #fonoamor #DTM #Mastigação #DTMtratamentocomFonoeOdonto #eletrofonoterapia #fototerapia #kinesioterapia #crioterapia #fonoterapia

O emprego do calor superficial para tratamento das disfunções temporomandibulares - DTM

Furlan, R. M. M. M., Giovanardi, R. S., Britto, A. T. B. D. O., & Britto, D. B. D. O. (2015, April). O emprego do calor superficial para tratamento das disfunções temporomandibulares: uma revisão integrativa. In CoDAS (Vol. 27, No. 2, pp. 207-212). Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia.

Teste da Linguinha pelo Ministério da Saúde

NOTA TÉCNICA Nº 35/2018 - Avaliação do Frênulo de língua ASSUNTO: Com a finalidade de atender à Lei nº 13.002 de 20 de junho de 2014, esta Nota Técnica visa orientar os profissionais e estabelecimentos de saúde sobre a identificação precoce da anquiloglossia em recém-nascidos, bem como estabelecer o fluxo de atendimento dessa população na rede de atenção à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde, tendo em vista sua potencial interferência sobre a amamentação.

Validação do Protocolo de Avaliação Miofuncional Orofacial MBGR para adultos com DTM - 2020

BUENO, Mariana da Rocha Salles et al . Validação do protocolo de avaliação miofuncional orofacial MBGR para adultos com disfunção temporomandibular com deslocamento de disco com redução. CoDAS, São Paulo , v. 32, n. 4, e20190132, 2020 . Disponível em . acessos em 22 abr. 2020. Epub 17-Abr-2020. https://doi.org/10.1590/2317-1782/20202019132.

Geriatria e Gerontologia

AULA 4 - Parte II Benefícios da Fonoaudiologia e do Canto em idosos

Professore Convidado Fgº Wendel Pereira Fonoaudiólogo Professor de canto Preparador vocal de cantores e atores. Oratória Articulador Regional pela Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia

ESTUDO DIRIGIDO A2 GERIATRIA

ED A2 + TRABALHO QUE DEVERÁ SER FEITO EM SLIDES DE ESTIMULAÇÃO. MODELOS NO LINK DE VÍDEOS DE MÓDULOS DE TREINAMENTO DE MEMÓRIA DO PRÓPRIO SITE. GRUPOS DE 5 ALUNOS - MÍNIMO DE 10 SLIDES COM ESTÍMULOS DE: PERCEPÇÃO, ATENÇÃO TÉCNICAS DE ASSOCIAÇÃO DE IDÉIAS, CONCEITOS, NOMES RACIOCÍNIO LÓGICO

Distrofias Musculares

Dysphagia in Duchenne muscular dystrophy - TRADUZIDO

OBSERVAÇÃO: Esse artigo foi traduzido e a tradução não é totalmente fidedigna, o original está anexado. Inseri a tradução atendendo a pedidos de alguns pacientes. Att, Viviane Marques

Orofacial muscles may be affected in early stages of Becker muscular dystrophy: A preliminary study.

Os músculos orofaciais podem ser afetados nos estágios iniciais da distrofia muscular de Becker: um estudo preliminar. Resumo: A disfagia é relatada em pacientes com distrofia muscular de Duchenne ou Becker. Nossa experiência clínica sugere que, em comparação com os pacientes de Duchenne, a mastigação e a deglutição prejudicadas ocorrem precocemente nos pacientes de Becker em relação ao envolvimento dos músculos esqueléticos. O objetivo deste estudo foi avaliar a disfagia em pacientes Duchenne e Becker em relação à capacidade ambulatorial. MÉTODOS: Em pacientes em estágio ambulatorial inicial, foram avaliados sintomas clínicos, ultrassonografia quantitativa dos músculos orofaciais e força máxima de mordida. O teste de caminhada de 6 minutos (TC6) foi utilizado para medir a capacidade ambulatorial. RESULTADOS: Onze pacientes Duchenne e 11 Becker foram incluídos. Embora os pacientes com Becker tivessem uma distância maior no TC6 do que os pacientes com Duchenne, a ocorrência de dificuldades de mastigação e deglutição foi semelhante. O músculo temporal era significativamente mais espesso nos pacientes com Becker. CONCLUSÕES: A equipe de saúde deve estar ciente da presença de disfagia em ambos os grupos, mesmo quando a deambulação ainda está bem preservada.

Relationship between Eating and Digestive Symptoms and Respiratory Function in Advanced Duchenne Muscular Dystrophy Patients 2020

Resumo: Os pacientes com distrofia muscular de Duchenne (DMD) podem ter vários problemas que afetam sua qualidade de vida, incluindo condições alimentares e digestivas. OBJETIVO: Procuramos identificar a relação entre a função respiratória e vários sintomas relacionados à alimentação e digestão em pacientes com distrofia muscular de Duchenne avançada (DMD). MÉTODOS: Sintomas alimentares e digestivos, incluindo perda de apetite, náusea, vômito, diarréia, constipação, dificuldade de deglutição, dificuldade de mastigação, saciedade precoce e aspiração, foram avaliados em pacientes com DMD avançada, não-ambulatória e que necessitavam de suporte ventilatório mecânico não invasivo. Além disso, vários parâmetros da função respiratória foram medidos, incluindo capacidade vital forçada (CVF), capacidade máxima de insuflação (CIM), pico de fluxo da tosse (PCF), PCF assistido (PCF assistido), pressão inspiratória máxima (PIM) e pressão expiratória máxima ( MEP). Em seguida, analisamos a relação entre sintomas gastrointestinais e parâmetros da função respiratória. RESULTADOS: Um total de 180 pacientes (idade, 22,3 ± 5,0 anos) foram incluídos na análise. Perda de apetite e saciedade precoce não mostraram correlação com nenhum dos parâmetros da função respiratória. Constipação foi correlacionada com MEP; a dificuldade de deglutição foi correlacionada com MIC, APCF, MIP e MEP; e a dificuldade mastigatória foi correlacionada com CVF, PCF, APCF, MIP e MEP. Notavelmente, a idade não se correlacionou com nenhum sintoma gastrointestinal. CONCLUSÕES: Os sintomas alimentares e digestivos estão mais intimamente correlacionados com a função respiratória do que com a idade em pacientes com DMD. Acreditamos que essa correlação seja causada principalmente pela força muscular esquelética, que é o principal determinante da função digestiva e respiratória.

Screening and evaluation tools of dysphagia in adults with neuromuscular diseases: a systematic review 2019

Resumo: O objetivo desta revisão sistemática foi resumir as diferentes disfagias ferramentas de triagem e avaliação e identificar suas propriedades de medida em adultos com doenças neuromusculares (NMDs). Métodos: Uma revisão sistemática foi realizada com base nos itens de relatório preferenciais para diretrizes de revisões sistemáticas e meta-análises (PRISMA). A estratégia de pesquisa foi realizada em três bancos de dados (PubMed, CINAHL e ScienceDirect). Medição propriedades de cada ferramenta e o Índice de Qualidade, desenvolvido por Downs e Black, foram considerados para os diferentes estudos investigados. Resultados: A estratégia de busca produziu 2221 artigos. Após a remoção de duplicatas e texto completo análise, 19 estudos foram incluídos. A maioria das publicações focou-se na lateral amiotrófica esclerose (ELA; n = 10) e distrofia muscular de Duchenne (DMD; n = 4). Um total de 12 ferramentas, listados como exames instrumentais e não instrumentais, foram recuperados. Um total de cinco eles usaram o estudo videofluoroscópico da deglutição (VFSS). As propriedades de medição das ferramentas são não é completamente descrito em detalhes em muitos estudos. A avaliação da deglutição em doença neuromuscular, referente a escala de status, uma ferramenta não-instrumental (Avaliação fonoaudiológica), é a única que avaliou todas as medidas propriedades em pacientes com ELA. A pontuação média relatada para o Índice de Qualidade foi 16. Conclusões: Esta revisão sistemática identificou 12 ferramentas diferentes para a triagem e avaliação da disfagia em adultos com NMD. A maioria dos estudos apresentou o VFSS como um exame válido e confiável para avaliar a disfagia na ELA e na DMD. Outras ferramentas foram principalmente avaliados em pacientes com ELA, mas são necessários mais estudos para concluir sua medição propriedades. Em outros NMDs, nenhuma conclusão firme pode ser feita devido à falta de dados e heterogeneidade de NMDs.

Swallowing difficulties in Duchenne muscular dystrophy

Sabe-se que as dificuldades de alimentação ocorrem com o avanço da idade em Duchenne muscular distrofia (DMD). Foi avaliado o papel do estudo da videofluoroscopia da deglutição (VFSS) em um grupo de 30 pacientes com DMD com dificuldades alimentares. Indicações para avaliação da alimentação foram: infecções respiratórias potencialmente atribuíveis à aspiração (n ¼ 10) e / ou episódios de asfixia (nº 24) subdividida em eventos isolados de asfixia (nº 8) e asfixia regular durante deglutição (n ¼ 16). As indicações para avaliação foram analisadas em relação ao VFSS resultados. A idade mediana na avaliação foi de 17,13 anos (variação de 6 a 31,4). Vinte e quatro VFSS foram realizada. Mastigação prolongada e transporte de bolo alimentar com esforço para sólidos aumentaram com a idade. O o disparo de deglutição era normal na maioria dos casos. Todos os pacientes tiveram algum resíduo faríngeo pós-deglutição ao redor da entrada da laringe, aumentando em volume com a idade. Embora esso resíduo não resultou em aspiração, foi pior em pacientes que freqüentemente se engasgavam. Três pacientes apresentaram intermitentemente penetração no espaço supraglótico que não atingiu as pregas vocais durante a deglutição. Nossos resultados sugerem que problemas relatados de deglutição quando avaliados nem sempre estão associados a dificuldades no VFSS. É a fase oral de deglutição mais afetada pela DMD. A fase faríngea está bem desencadeada, mas é fraca com a depuração faríngea incompleta, deixando resíduos da faringe. Mastigação insuficiente ou trabalhosa, associada a folga fraca, pode predispor a episódios de asfixia como um evento único ou com uma frequência crescente com a idade. Este estudo sugere que o VFSS pode não ser um benefício adicional ao histórico cuidadoso da alimentação e observação em DMD com dificuldades alimentares. Nota Fonovim: Recomenda-se o acompanhamento fonoaudiológico para avaliação,diagnóstico, medidas de prevenção e tratamento da Deglutição.

Atuação da Fonoaudiologia na Cirurgia Bariátrica

A NECESSIDADE DA AVALIAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO PROTOCOLO DE PACIENTES CANDIDATOS À CIRURGIA BARIÁTRICA

Material sedido pela Profª Andréa Cavalcante Autores: Angela Silveira Guerra Silva (1), Christiane Camargo Tanigute (2), Adriana Tessitore (3)

Food Tolerance in Patients Submitted to Gastric Bypass: The Importance of Using an Integrated and Interdisciplinary Approach

Material sedido pela Profª Andréa Cavalcante Autores: Cynthia Meira de Almeida Godoy & Alex L. Caetano & Kátia R. S. Viana & Eudes Paiva de Godoy & André Luis Costa Barbosa & Edmundo M. Ferraz

FUNÇÃO MASTIGATÓRIA DE OBESOS CANDIDATOS À CIRURGIA BARIÁTRICA ORIUNDOS DE CLASSES SOCIOECONÔMICAS DISTINTAS

Material sedido pela Prfª Andréa Cavalcante Autores: Celso Roberto PASSERI1,2, Jacira Alves Caracik de Camargo ANDRADE1,2, Karla Thaíza TOMAL1, Eduardo Marcucci PRACUCHO1, Livia Paschoalino de CAMPOS3, Silvia Helena de Carvalho SALES-PERES2

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM OBESOS MÓRBIDOS SUBMETIDOS À GASTROPLASTIA PELA TÉCNICA DE FOBI-CAPELLA

Material sedido pela Profª Andréa Cavalcante Autores: Rosa de Fátima Marques GONÇALVES, Ethel ZIMBERG

PERFIL MASTIGATÓRIO DE OBESOS MÓRBIDOS SUBMETIDOS À GASTROPLASTIA

Material sedido pela Profª Andréa Cavalcante Autores: Rosa de Fátima Marques Gonçalves (1), Ethel Zimberg Chehter (2)

Eletroterapia aplicada a Fonoaudiologia

Aplicação e efeitos da eletroestimulação neuromuscular na reabilitação da disfagia orofaríngea: revisão de literatura

Aplicação e efeitos da eletroestimulação neuromuscular na reabilitação da disfagia orofaríngea: revisão de literatura Borges et al. 2016

Estimulação Elétrica Neuromuscular na Reabilitação da Disfagia Orofaríngea Neurogênica

Estimulação Elétrica Neuromuscular na Reabilitação da Disfagia Orofaríngea Neurogênica Neuromuscular Electrical Stimulation in Rehabilitation of Neurogenic Oropharyngeal Dysphagia Paula Cristina Cola Roberto Oliveira Dantas Roberta Gonçalves da Silva

USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NA CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NA CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA The use of electrical stimulation in speech therapy clinical: an integrative literature review Juscelina Kubitscheck de Oliveira Santos(1), Ana Cristina Côrtes Gama (2), Kelly Cristina Alves Silvério (3), Neide Fátima Cordeiro Diniz Oliveira (4)

Artigos publicados

A IMPORTÂNCIA DA FONOAUDIOLOGIA NA SÍNDROME DE CUSHING: RELATO DE CASO.

A IMPORTÂNCIA DA FONOAUDIOLOGIA NA SÍNDROME DE CUSHING: RELATO DE CASO. Disponível em: http://crefono1.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/Bruna-Silva-UVA.pdf Bruna Silva Pereira Universidade Veiga de Almeida – brunapereira0@yahoo.com.br Viviane Marques da Silva Neves

APLICAÇÃO DO MÉTODO KINÉSIO TAPING NA REABILITAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA DAS PARALISIAS FACIAIS

APLICAÇÃO DO MÉTODO KINÉSIO TAPING NA REABILITAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA DAS PARALISIAS FACIAIS Disponível em: http://crefono1.gov.br/wp-content/uploads/2016/10/ART-CLAUDIA-VALENTIM.pdf Cláudia Valentim Silva Fonoaudióloga, formada em 2015, pela Universidade Veiga de Almeida – Rio de Janeiro (RJ), Brasil cacauvalentim@yahoo.com.br Viviane Marques da Silva Neves Mestre em Fonoaudiologia, Coordenadora do Curso de Pós-Graduação em Fonoaudiologia hospitalar na Universidade Veiga de Almeida – Rio de Janeiro (RJ), Brasil vivianemarquesfono@hotmail.com

Cognitive training through DVD: Working memory task as a tool for rehabilitation in elders

Cognitive training through DVD: Working memory task as a tool for rehabilitation in elders Cognitive training through DVD: Working memory task as a tool for rehabilitation in elders Viviane Marques1,2*, Luise Alexandre Rocha Soutinho3, Mônica Marins4, Victor Marinho5,6, Silmar Teixeira5,6, Victor Hugo Bastos7, Marco Orsini8 Corresponding Author: Viviane Marques E-mail: vivianemarques@uva.br MARQUES, Viviane et al. Cognitive training through DVD: Working memory task as a tool for rehabilitation in elderly.Clin. Pract. 939 (2018) 15(SII), 939-94 Disponível em: https://www.openaccessjournals.com/articles/cognitive-training-through-dvd-working-memory-task-as-a-tool-for-rehabilitation-in-elders-12705.html

QUALIDADE VOCAL DE PACIENTES SUBMETIDOS À LARINGECTOMIA PARCIAL NEAR TOTAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA

QUALIDADE VOCAL DE PACIENTES SUBMETIDOS À LARINGECTOMIA PARCIAL NEAR TOTAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DE LITERATURA Disponível em: http://crefono1.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/Karla-Santiago-UVA.pdf Karla Santiago Moreira Gama Universidade Veiga de Almeida. Email: san.ka.fono@gmail.com Viviane Marques da Silva Neves Universidade Veiga de Almeida. Mestre. Email: vivianemarquesfono@hotmail.com

USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR NO TRATAMENTO DAS DISFAGIAS OROFARÍNGEAS

USO DA ELETROESTIMULAÇÃO NEUROMUSCULAR NO TRATAMENTO DAS DISFAGIAS OROFARÍNGEAS Tuane Santos Justo Carvalho Disponível em: http://crefono1.gov.br/wp-content/uploads/2017/03/Tuane-ARTIGO-CREFONO-UVA.pdf Universidade Veiga de Almeida – Tuane Santos Justo Carvalho Viviane Marques Fonoaudióloga – Mestre Professora da Graduação em Fonoaudiologia da Universidade Veiga de Almeida – Rio de Janeiro, RJ Viviane.marques@uva.br

Afasia e Disartria

Effectiveness of enhanced communication therapy in the first four months after stroke for aphasia and dysarthria: a randomised controlled trial (2012)

Effectiveness of enhanced communication therapy in the first four months after stroke for aphasia and dysarthria: a randomised controlled trial Audrey Bowen senior lecturer in psychology 1, Anne Hesketh clinical senior lecturer in speech and language therapy 1, Emma Patchick trial manager 1, Alys Young professor of social work education and research2, Linda Davies professor of health economics3, Andy Vail senior lecturer in biostatistics4, Andrew F Long professor of health systems research 5, Caroline Watkins professor of stroke and older people’s care, chair of UK Forum for Stroke Training6, Mo Wilkinson visitor monitor1, Gill Pearl speech and language therapist 7, Matthew A Lambon Ralph professor of cognitive neuroscience 8, Pippa Tyrrell professor of stroke medicine 9

IRVING NAMES LEARNING TEST (TESTE DE MEMÓRIA E APRENDIZAGEM)

IRVING NAMES LEARNING TEST (TESTE DE MEMÓRIA E APRENDIZAGEM)

Non-invasive brain stimulation enhances the effects of melodic intonation therapy (2011)

BradleyW.Vines1,2, AndreaC.Norton1 and GottfriedSchlaug1* Non-invasive brain stimulation enhances the effects of melodic intonation therapy (2011)

Processing of metaphors in transcortical motor aphasia

Renata Mancopes1, Fernanda Schultz2 Processing of metaphors in transcortical motor aphasia Dementia & Neuropsychologia 2008 December;2(4):339-348

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FUNCIONAL NA DETERMINAÇÃO DA LATERALIZAÇÃO DA ÁREA CEREBRAL DA LINGUAGEM (2004)

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FUNCIONAL NA DETERMINAÇÃO DA LATERALIZAÇÃO DA ÁREA CEREBRAL DA LINGUAGEM Murilo S. Meneses1, Samanta F. Blattes Rocha2, Marcelo R. Young Blood3, Alcides Trentin Jr.3, Paulo Roberto Benites Filho3, Pedro André Kowacs4, Nelson de Andrade Oliveira5, Cristiane A. Simão6, Yumi Awamura7, Maria L.A. Vítola

Screening tests for aphasia in patients with stroke: a systematic review J Neurol (2017)

Screening tests for aphasia in patients with stroke: a systematic review J Neurol (2017) 264:211–220 Hanane El Hachioui; Evy G. Visch-Brink; Lonneke M. L. de Lau; Mieke W. M. E. van de Sandt-Koenderman; Femke Nouwens; Peter J. Koudstaal; Diederik W. J. Dippe

Telerehabilitation for aphasia – protocol of a pragmatic, exploratory, pilot randomized controlled trial (2018)

Telerehabilitation for aphasia – protocol of a pragmatic, exploratory, pilot randomized controlled trial (2018) Hege Prag Øra1,2*, Melanie Kirmess1,3, Marian C. Brady4, Ingvild Elisabeth Winsnes1, Silje Merethe Hansen3 and Frank Becker1,2

TESTE DE MEMÓRIA DOS 5 OBJETOS (M5O): DESEMPENHO DE PARTICIPANTES COM AFASIA (2017)

TESTE DE MEMÓRIA DOS 5 OBJECTOS (M5O): DESEMPENHO DE PARTICIPANTES COM AFASIA 5 OBJECTS MEMORY TEST (M5O): PERFORMANCE OF PARTICIPANTS WITH APHASIA José Fonseca1,2, Filipa Miranda1,3, Isabel Pavão Martins1,2

COVID 19 e Fonoaudiologia

Anosmia e Disgeusia Pós Covid-19

A anosmia (perda de olfato) e a disgeusia (redução da gustação) são sintomas com grande prevalência nos pacientes diagnosticados com a Covid-19, mesmo aqueles que tiveram formas leves da doença. Esse sintomas sempre foram tratados pela fonoaudiologia como sintomas prevalentes de algumas doenças neurológicas ou como sintomas a tratamentos oncológicos. Esses protocolos estão sendo utilizados para o tratamento dos pacientes com anosmia e disgeusia pós Covid-19, a associação de técnicas fonoaudiológicas com o uso do laser tem tido excelentes resultados. O olfato e a gustação são sentidos essenciais para a qualidade de vida dos indivíduos. Deve-se pensar que o olfato tem uma função importante de defesa, é o olfato que identifica alimentos que não estão bons antes de serem ingeridos, além de preparar a nossa salivação e as enzimas para a futura digestão dos alimentos que serão ingeridos, a gustação envolve também a proteção, quando qualificamos os alimentos assim que introduzidos na cavidade oral, para a identificação de alimentos adequados ou não para serem ingeridos. A gustação nos dá apetência para nos nutrirmos, pois é um sentido fundamental para o prazer da alimentação. Reconhecer os sabores é fundamental para uma alimentação segura e prazerosa. Muita pessoas ficam esperando os sentidos retornarem espontaneamente, algumas por longos meses. Faz-se necessário esclarecer e informar que a reabilitação fonoaudiológica pode auxiliar nesse retorno de forma mais precoce e eficaz. #cuide-se #fonoaudiologia #fononeuro #neuroexplica #covid-19 #coronavírus #anosmia #disgeusia #usemáscara #apandemianãoacabou @vivianemarquesfono

Central nervous system manifestations of COVID-19 review

Nesta revisão sistemática, foi discutido as evidências sobre a ocorrência de envolvimento do sistema nervoso central (SNC) e manifestações neurológicas em pacientes com COVID-19. MEDLINE (acessado pelo PubMed) e Scopus de 01 de dezembro de 2019 a 26 de março de 2020 foram sistematicamente pesquisados ​​por artigos publicados relacionados. Nas duas bases de dados eletrônicas, foi implementada a seguinte estratégia de busca e utilizadas as seguintes palavras-chave (no título / resumo): "COVID 19" OU "coronavírus" E "cérebro" OU "CNS" OU "neurológico". RESULTADOS: Por meio da estratégia de busca, pudemos identificar dois artigos sobre o envolvimento neurológico pelo COVID-19. Uma dessas publicações era uma revisão narrativa e a outra era um ponto de vista. No entanto, os autores digitalizaram as listas de referência dos estudos incluídos e puderam identificar várias referências. Um estudo investigou especificamente as manifestações neurológicas do COVID-19 e pôde documentar as manifestações do SNC em 25% dos pacientes. A maioria dos estudos investigou as manifestações do COVID-19 em geral. CONCLUSÃO: Embora as manifestações neurológicas do COVID-19 não tenham sido estudadas adequadamente, é altamente provável que alguns desses pacientes, principalmente aqueles que sofrem de uma doença grave, tenham envolvimento do SNC e manifestações neurológicas. Documentação precisa e direcionada dos sintomas neurológicos, investigações clínicas, neurológicas e eletrofisiológicas detalhadas dos pacientes, tentativas de isolar o SARS-CoV-2 do líquido cefalorraquidiano e autópsias das vítimas do COVID-19 podem esclarecer o papel desempenhado por esse vírus manifestações neurológicas.

Guidelines of clinical practice for the management of swallowing disorders and recent dysphonia in the context of the COVID-19 pandemic

Os procedimentos que colocam os profissionais de saúde em contato próximo com as vias aéreas estão particularmente em risco de contaminação pelo vírus SARS-Cov-2, especialmente quando exposto a expectoração, tosse ou traqueostomia. Na atual fase de pandemia, todos os pacientes devem ser considerados como potencialmente infectados. Assim, o nível de precaução recomendada para os cuidadores depende mais do tipo de procedimento do que do status comprovado ou suspeito de COVID-19 do paciente. Procedimentos que estão particularmente sob alto risco de contaminação são avaliação faringolaringológica clínica e videoendoscopia e provavelmente também videofluoroscopias da deglutição. A reabilitação por voz não deve ser considerada urgente neste momento. Portanto, as recomendações aqui apresentadas referem-se principalmente ao manejo de distúrbios da deglutição, que às vezes, pode ser perigoso para o paciente e disfonia recente. Nos casos em que são considerados possível e útil, as teleconsultas devem ser preferidas às avaliações presenciais ou à reabilitação sessões. Este último deve ser mantido apenas em poucas situações selecionadas, após discussões em equipe ou em de acordo com as diretrizes fornecidas pelas autoridades de saúde.

Máscaras contra COVID 19: uma revisão de evidências - Face Masks againts COVID 19: An Evidence Review

Máscaras contra COVID 19: uma revisão de evidências. A ciência reafirma o uso de máscaras pelo público em geral, para impedir a transmissão COVID-19, que segue avançando rapidamente. Esse estudo, sintetiza as informações relevantes da literatura para informar várias áreas: 1) características de transmissão de COVID-19, 2) características filtrantes e eficácia das máscaras, 3) impactos estimados na população do uso generalizado de máscaras na comunidade, e 4) considerações sociológicas para políticas relacionadas ao uso de máscaras.Uma via primária de transmissão do COVID-19 é provável através de pequenas gotículas respiratórias e é conhecida por ser transmissível de indivíduos pré-sintomáticos e assintomáticos. Reduzir a propagação de doenças requer duas coisas: primeiro, limitar contatos de indivíduos infectados via distanciamento físico e rastreamento de contatos com quarentena apropriada, e segundo, reduzir a probabilidade de transmissão por contato usando máscaras em público, entre outras medidas. A preponderância de evidência indica que o uso da máscara reduz a transmissibilidade por contato, reduzindo a transmissão de gotículas infectadas nos dois contextos laboratoriais e clínicos. O uso público de máscaras é mais eficaz para impedir a propagação do vírus quando a conformidade é alta. A transmissibilidade reduzida poderia reduzir substancialmente o número de mortos e impacto econômico, enquanto o custo da intervenção é baixo. Assim esse estudo recomenda a adoção do uso público de máscara de pano, como uma forma eficaz de controle da fonte, em conjunto com as estratégias existentes de higiene, distanciamento e rastreamento de contatos. Recomendam que os funcionários públicos e governos incentivem fortemente o uso de máscaras em público, incluindo o uso de regulamentação apropriada. O uso das máscaras apresentam um efeito de rede ,ou seja, a minha máscara te protege e a sua máscara me protege. Em se tratando de dados exponenciais, essa redução tem um efeito significativo. Usem máscaras, as evidências científicas comprovam os benefícios!

Potential pathogenesis of ageusia and anosmia in COVID-19 patients

Desde os primeiros relatos, ageusia e anosmia parecem ser características clínicas frequentes em pacientes com doença por coronavírus 19 (COVID-19). Esse artigo realizou um levantamento da literatura, analisando as possíveis causas dessas alterações quimiosensoriais, que podem ser úteis como ponto de partida para estudos adicionais específicos.

Fonoaudiologia Neurofuncional

A música melhora a memória e a recuperação da linguagem após o AVC: resultados agrupados de dois RCTs

A música melhora a memória e a recuperação da linguagem após o AVC: resultados agrupados de dois RCTs Vocal music enhances memory and language recovery after stroke: pooled results from two RCTs Aleksi J. Sihvonen et al. 2020 Objetivo: estudos anteriores sugerem que ouvir música diariamente pode ajudar na recuperação do derrame, mas pouco se sabe sobre os mecanismos neurais e dependentes de estímulos que conduzem a esse efeito. Com base nas evidências de neuroimagem de que a música vocal envolve redes extensas e bilaterais no cérebro, procuramos determinar se ela seria mais eficaz para aumentar a recuperação cognitiva e de linguagem e a neuroplasticidade do que a música instrumental ou a fala após o derrame. Interpretação: A audição de música é uma ferramenta eficaz e facilmente aplicável para apoiar a recuperação cognitiva após um AVC, bem como para melhorar a recuperação precoce da linguagem na afasia. Os efeitos reabilitadores da música vocal são impulsionados por mudanças estruturais e funcionais da plasticidade nas redes temporoparietais cruciais para o processamento emocional, linguagem e memória.